Campeão Brasileiro de 2010 - Tricampeão Brasileiro

Por: Fabiano Artiles

Campeonato Brasileiro 2010

Foi chorado. Uma história digna com enredo rodrigueano. A espera de 26 anos pelo título de campeão brasileiro chegou ao fim às 18h04 na tarde chuvosa de um domingo, dia 5 de dezembro de 2010. Ao apito final, o último da carreira do árbitro Carlos Eugênio Simon, o Fluminense conquistava seu 3º título brasileiro. O gol do atacante Emerson, aos 16 minutos do segundo tempo, “desabafou” o coração tricolor, que sofria desde 1984 em busca da conquista máxima no país do futebol.

O Campeonato Brasileiro de 2010 foi considerado por muitos analistas o mais difícil da era dos pontos corridos. Foi a continuidade da saga do Time de Guerreiros de 2009, que naquele ano escreveu páginas heróicas de uma arrancada espetacular, se livrando do rebaixamento nas últimas cinco rodadas, quando os matemáticos condenavam o Flu com 98% de chances de rebaixamento. Quem acreditaria que o time desacreditado do meio de 2009 conseguiria chegar ao topo do Brasil?

A perda da Libertadores em 2008 nos deixou seqüelas. Uma chuva de críticas e deboches pairavam sobre as Laranjeiras. A conquista do Campeonato Brasileiro não foi obra do acaso ou algo fulgás. Foi resultado de um longo processo, que vem de muitos e muitos anos. Ninguém mereceu mais esse título do que o Fluminense. Lembremos de 1988, 1991, 1995, 2000, 2001, 2002, 2005 e 2007 – em todos estes anos, o Campeonato Brasileiro poderia ter sido do Tricolor mais amado do Brasil, mas escapou entre os dedos. O título de 2010 não escapou. O Fluminense voltou ao seu devido lugar. Assim como no hino, quem espera sempre alcança.

NÚMEROS DO TÍTULO

TIME QUE MAIS LIDEROU

Das 38 rodadas, o Fluminense foi o clube que mais tempo ficou na ponta da tabela. Foram 23 jornadas aparecendo como líder do Campeonato Brasileiro  de 2010.

DEFESA MENOS VAZADA

Foram apenas 36 gols sofridos. Mariano, Marquinhos, André Luis, Digão, Gum, Leandro Euzébio, Carlinhos e Julio Cesar foram responsáveis pela melhor defesa do campeonato. Não podemos esquecer também dos nossos volantes: Valencia, Diguinho, Fernando Bob, Belletti e Diogo, verdadeiros cães de guarda da nossa retaguarda. Nossos goleiros Fernando Henrique, Ricardo Berna e Rafael também foram fundamentais para esse desempenho da defesa menos vazada da competição.

ÍDOLO ETERNIZADO

O argentino Darío Conca, além de ter participado de todas as partidas do time no campeonato, foi eleito o craque do Brasileirão, o craque da galera e o melhor da sua posição. Conca teve seu nome eternizado e entrou de vez para a galeria dos ídolos tricolores, como Telê, Rivellino, Assis, Washington, Romerito, Pinheiro, entre outros.

O ARTILHEIRO SOLIDÁRIO

Depois da brilhante passagem em 2008, o centroavante Washington voltou à sua casa em julho de 2010. Na sua reestreia pelo clube, o Coração Valente fez dois gols na vitória por 3 a 1 diante do Atlético-PR, diante de um público de 40 mil pessoas no Maracanã. O artilheiro teve participação decisiva na competição. Ele foi o artilheiro do time, com oito gols. Viveu dois momentos distintos. Logo na sua volta, ele emplacou uma sequência de gols. Mas também passou por maus bocados. O Coração Valente finalizou o Campeonato Brasileiro com 15 jogos seguidos em branco. Mas com assistências fundamentais, como a participação direta e fundamental no gol do título. O atacante resvalou na primeira trave a bola cruzada por Carlinhos, para a conclusão de Emerson.

O TREINADOR MULTICAMPEÃO

Muricy Ramalho é um vencedor. Após conquistar o tricampeonato brasileiro pelo São Paulo (2006/2007/2008), ele desembarcou no clube em abril de 2010. Desacreditado pela rápida passagem pelo Palmeiras em 2009, o treinador passou por maus bocados ao longo da competição. Com diversas lesões dos jogadores ao longo da temporada, ele soube montar sua equipe jogo a jogo até a batalha final diante do Guarani. Enfrentou o precoce fechamento do Maracanã e ficou sem estádio; lutou meses contra as contusões de seus principais jogadores; liderou dois terços do campeonato… E quando o time ameaçou sair do caminho das glórias, teve pulso e inteligência para recolocar o time nos trilhos novamente.

O CAPITÃO

Fred encarnou e entendeu o que é o Fluminense. Ações como as que liderou em prol do nosso eterno centroavante Washington (da dupla casal 20), que sofre de uma doença regenerativa nas pernas. Gestos como aquele onde o atacante levantou outro ídolo nosso nos ombros, o ex-atacante Assis, assim que terminou o jogo decisivo, mostraram que ser Tricolor é isso. É valorizar o patrimônio do clube. É lembrar de todos que escreveram a história mais do que centenária do clube.

Mas nosso artilheiro sofreu com as lesões ao longo de 2010. Mas é inegável sua liderança no grupo. A importância de seus gols nos momentos que o Fluminense mais precisava foram de grande valia para a construção do título. Lembra os dois gols diante do Cruzeiro em 2009, no Mineirão? E o gol marcado em cima do Palmeiras, na magra vitória no Maracanã, também em 2009? Sim, estamos falando de 2009, ano em que o Fluminense começou a construir a conquista histórica do ano seguinte. Fred é, sem dúvida, um dos melhores centroavantes do Brasil e sua liderança dentro de campo deixa o Fluminense cada vez mais forte e respeitado.

A MELHOR E MAIS BONITA TORCIDA DO BRASIL

O campeonato de 2010 deixa a marca de que um time pode tudo. O Fluminense passou por tudo. Foi do céu ao inferno (campanha épica na Libertadores de 2008 e depois a perda do título na final). Depois, do inferno ao céu (campanha pífia em 2009 e o renascimento no final, escapando do rebaixamento iminente). E foi a torcida que inflamou o time em todos os momentos. Além de ser o combustível para as viradas históricas, a torcida do Fluminense provou ser a mais bonita do Brasil. O que dizer dos lindos mosaicos protagonizados pelos tricolores no Maracanã e no Engenhão? Inesquecíveis! A chuva de pó-de-arroz tomou conta do Brasil.

Nosso profeta tricolor, Nelson Rodrigues, já previa isso desde sempre:

Uma torcida não vale a pena pela sua expressão numérica. Ela vive e influi no destino das batalhas pela força do sentimento. E a torcida tricolor leva um imperecível estandarte de paixão”.

O Fluminense é Tricampeão Brasileiro. Nelson diria que “o Fluminense nasceu com a vocação da eternidade…tudo pode passar…só o tricolor não passará jamais.”  Vence o Fluminense, como sempre. Assim como brilha com o sol da manhã, qual luz de um refletor. Salve o tricolor!!!

FICHA TÉCNICA

Fluminense 1 x 0 Guarani – 38ª rodada Campeonato Brasileiro de 2010

Data: 05/12/2010
Local: Engenhão (RJ)
Publico presente: 40.915
Renda: R$ 2.859.450,00

Fluminense: Ricardo Berna, Mariano, Gum, Leandro Euzébio e Carlinhos; Valencia, Diguinho, Julio Cesar (Washington) e Conca; Emerson (Rodriguinho) e Fred (Fernando Bob). Técnico: Muricy Ramalho.

Guarani: Emerson. Guilherme (Pablo), Aislan e Ailson; Apodi, Fabiano, Paulinho, Maycon, Reinaldo e Marcio Careca (Geovani); Reinaldo (Douglas). Técnico: Vagner Mancini.

Árbitro: Carlos Eugênio Simon (RS)
Auxiliares: Altemir Hausmam (RS) e Roberto Braatz (SC)
Gol: Emerson, aos 16’ 2/T
Amarelos: Mariano e Gum (FLU); Paulinho, Ailson, Maycon e Fabiano (Guarani)
Vermelho: Não houve

Fonte: Site Oficial do Fluminense Football Club

Más noticias de FANATICOS